top of page

Rápido e devagar

Por Daniel Kahneman

Ideias Chaves desse livro

  1. A mente usa atalhos para tomar decisões rápidas.

  2. A forma como as probabilidades nos são apresentadas afeta nossa avaliação do risco.

  3. Não somos robôs, por isso não tomamos decisões baseadas puramente em pensamento racional.

  4. Em vez de tomar decisões racionais, muitas vezes somos influenciados por fatores emocionais.

  5. A mente cria imagens completas para explicar o mundo, mas elas levam a excesso de confiança e erros.


Introdução

Com duas mentes: como nosso comportamento é determinado por dois sistemas diferentes - um automático e o outro consciente.


O Sistema 1 é a parte do nosso cérebro que opera de forma intuitiva e repentina, muitas vezes sem o nosso controle consciente. Você pode experimentar esse sistema em ação quando ouve um som muito alto e inesperado. O que você faz? Provavelmente, direciona imediatamente e automaticamente sua atenção para o som.


Esse sistema é um legado do nosso passado evolutivo: existem vantagens de sobrevivência inerentes em ser capaz de tomar ações e julgamentos tão rápidos.


O Sistema 2 é o que pensamos quando visualizamos a parte do cérebro responsável por nossas decisões individuais, raciocínio e crenças. Ele lida com atividades conscientes da mente, como autocontrole, escolhas e foco mais deliberado da atenção.


A relação entre esses dois sistemas determina nosso comportamento.


Ideia chave 1

A mente preguiçosa: como a preguiça pode levar a erros e afetar nossa inteligência.


Para entender como os dois sistemas funcionam, tente resolver esse problema do bastão e da bola:


Um bastão e uma bola custam $1.10. O bastão custa um dólar a mais do que a bola. Quanto custa a bola?


O preço que provavelmente veio à sua mente, $0.10, é resultado do Sistema 1 intuitivo e automático, e está errado! Faça o cálculo novamente.


Você percebeu seu erro? A resposta correta é $0.05.


Normalmente, quando confrontado com uma situação que não consegue compreender, o Sistema 1 chama o Sistema 2 para resolver o problema. No entanto, no problema do bastão e da bola, o Sistema 1 é enganado. Ele percebe o problema como mais simples do que realmente é e assume incorretamente que pode resolvê-lo sozinho.


Isso expõe nossa preguiça mental inata. Quando usamos nosso cérebro, tendemos a usar a quantidade mínima de energia possível para cada tarefa. É a lei do menor esforço. Porque verificar a resposta com o Sistema 2 exigiria mais energia, o que nossa mente não faz quando acredita que pode usar apenas o Sistema 1.


Ao ser preguiçosa e evitar o uso do Sistema 2, nossa mente está limitando a força de nossa inteligência.


Ideia-chave 2

Piloto automático: por que nem sempre temos controle consciente sobre nossos pensamentos e ações.


O que você pensa quando vê o fragmento da palavra "SOP_"? Provavelmente nada. E se você primeiro considerar a palavra "COMER"? Agora, quando você olhar novamente para a palavra "SOP_", você provavelmente a completaria como "SOPA". Esse processo é conhecido como priming.


Somos direcionados quando a exposição a uma palavra, conceito ou evento nos faz evocar palavras e conceitos relacionados.


Esse direcionamento não afeta apenas a maneira como pensamos, mas também a maneira como agimos. É completamente inconsciente.


O que o direcionamento mostra, portanto, é que, nem sempre temos controle consciente sobre nossas ações, julgamentos e escolhas. Estamos constantemente sendo "primed" por certas condições sociais e culturais.


Ideia-chave 3

Julgamentos rápidos: como a mente toma decisões rápidas, mesmo quando não possui informações suficientes para tomar uma decisão racional.


Imagine que você conhece alguém chamado Ben em uma festa, e você acha fácil conversar com ele. Mais tarde, alguém pergunta se você conhece alguém que possa contribuir para a caridade deles. Você pensa em Ben, mesmo sabendo muito pouco sobre ele, exceto que ele é fácil de conversar.


Frequentemente, aprovamos ou desaprovamos uma pessoa, mesmo quando sabemos pouco sobre ela.


A tendência da nossa mente de simplificar demais as coisas, sem informações suficientes, muitas vezes leva a erros de julgamento. Isso é chamado de exagero da coerência emocional, também conhecido como efeito halo: sentimentos positivos sobre a abordagem de Ben fazem com que você coloque um halo sobre Ben, mesmo sabendo muito pouco sobre ele.


Mas essa não é a única maneira pela qual nossas mentes tomam atalhos ao fazer julgamentos.


Há também o viés de confirmação, que é a tendência das pessoas concordarem com informações que suportam suas crenças anteriormente estabelecidas, bem como aceitar qualquer informação que lhes seja sugerida.


Isso pode ser demonstrado se fizermos a pergunta: "James é amigável?" Estudos mostraram que, diante dessa pergunta, mas sem outras informações, é muito provável que consideremos James amigável - porque a mente automaticamente confirma a ideia sugerida.


O efeito halo e o viés de confirmação ocorrem porque nossas mentes estão ansiosas para fazer julgamentos rápidos. Mas isso muitas vezes leva a erros, porque nem sempre temos dados suficientes para fazer uma avaliação precisa.


Assim como o direcionamento, esses fenômenos cognitivos acontecem sem nossa consciência e afetam nossas escolhas, julgamentos e ações.


Ideia chave 4

Heurísticas: como a mente usa atalhos para tomar decisões rápidas.


Frequentemente nos encontramos em situações em que precisamos tomar um julgamento rápido. Para nos ajudar a fazer isso, nossas mentes desenvolveram pequenos atalhos para nos ajudar a entender imediatamente nosso entorno. Esses são chamados heurísticas.


Na maioria das vezes, esses processos são muito úteis, mas o problema é que nossas mentes tendem a usá-los demais. Aplicá-los em situações para as quais eles não são adequados pode nos levar a cometer erros.


A heurística de substituição é quando respondemos a uma pergunta mais fácil do que a que foi feita na realidade.


Pegue essa pergunta, por exemplo: "Essa mulher é candidata a xerife. Qual será o seu sucesso no cargo?" Automaticamente, substituímos a pergunta que devemos responder por uma mais fácil, como: "Essa mulher parece alguém que será uma boa xerife?"


Essa heurística significa que, em vez de pesquisar o histórico e as políticas da candidata, apenas nos perguntamos se essa mulher se encaixa na nossa imagem mental de uma boa xerife. Infelizmente, se a mulher não se encaixar na nossa imagem de uma xerife, podemos rejeitá-la - mesmo que ela tenha anos de experiência no combate ao crime, o que a torna a candidata ideal.


Em seguida, há a heurística de disponibilidade, que é quando superestimamos a probabilidade de algo que ouvimos com frequência ou que é fácil de lembrar.


Por exemplo, os derrames causam muito mais mortes do que os acidentes, mas um estudo descobriu que 80% dos entrevistados consideravam uma morte acidental um destino mais provável. Isso ocorre porque ouvimos mais sobre mortes acidentais na mídia e porque elas nos causam uma impressão mais forte; lembramos mais facilmente de mortes acidentais horríveis do que de mortes por derrame, e assim podemos reagir de forma inadequada a esses perigos.


Ideia chave 5

Não somos bons com números: por que lutamos para entender estatísticas e cometemos erros evitáveis por causa disso.


Como você pode fazer previsões sobre se certas coisas vão acontecer?


Uma maneira eficaz é ter em mente a taxa base. Isso se refere a uma base estatística, na qual outras estatísticas se baseiam. Por exemplo, imagine uma grande empresa de táxis que tem 20% de táxis amarelos e 80% de táxis vermelhos. Isso significa que a taxa base para táxis amarelos é de 20% e a taxa base para táxis vermelhos é de 80%. Se você pedir um táxi e quiser adivinhar sua cor, lembre-se das taxas base e fará uma previsão bastante precisa.


Por exemplo, imagine os táxis novamente: Se você visse cinco táxis vermelhos passarem, provavelmente começaria a sentir que é bastante provável que o próximo seja amarelo para variar. Mas não importa quantos táxis de cada cor passem, a probabilidade de que o próximo táxi seja vermelho ainda será em torno de 80% - e se lembrarmos da taxa base, devemos perceber isso. Mas, em vez disso, tendemos a nos concentrar no que esperamos ver, um táxi amarelo, e assim provavelmente estaremos errados.


A negligência da taxa base é um erro comum relacionado ao problema mais amplo de trabalhar com estatísticas. Também lutamos para lembrar que tudo regride à média. Isso é o reconhecimento de que todas as situações têm seu status médio e variações desse status médio eventualmente voltarão para a média.


Ideia chave 6

Passado imperfeito: por que lembramos eventos com base no retrospecto, em vez da experiência.


Nossas mentes não lembram das experiências de forma direta. Temos dois dispositivos diferentes, chamados de eu da experiência, ambos lembrando das situações de maneira diferente.


Primeiro, há o eu da experiência, que registra como nos sentimos no momento presente. Ele faz a pergunta: "Como isso me faz sentir agora?"


Em seguida, há o eu que lembra, que registra como todo o evento se desenrolou depois do fato. Ele pergunta: "Como foi no geral?"


O eu da experiência fornece um relato mais preciso do que ocorreu, porque nossos sentimentos durante uma experiência são sempre os mais precisos. Mas o eu que lembra, que é menos preciso porque registra as memórias após a situação ter terminado, domina a nossa memória.


Existem duas razões pelas quais o eu que lembra domina o eu da experiência. A primeira delas é chamada de desprezo à duração, onde ignoramos a duração total do evento em favor de uma memória específica dele. A segunda é a regra do pico-fim, onde enfatizamos demais o que acontece no final de um evento.


Ideia chave 7

A mente sobre a matéria: como ajustar o foco de nossas mentes pode afetar drasticamente nossos pensamentos e comportamentos.


Mudanças nos níveis de energia do cérebro têm efeitos dramáticos em nosso comportamento.


Em um estado de facilidade cognitiva, o Sistema 1 intuitivo está no comando de nossas mentes, e o Sistema 2 lógico e mais exigente em energia é enfraquecido. Isso significa que somos mais intuitivos, criativos e felizes, mas também mais propensos a cometer erros.


Em um estado de tensão cognitiva, nossa consciência está mais elevada e, portanto, o Sistema 2 assume o controle. O Sistema 2 está mais pronto para verificar nossos julgamentos do que o Sistema 1, então, embora sejamos menos criativos, cometeremos menos erros.


Você pode influenciar conscientemente a quantidade de energia que a mente usa para entrar no estado mental adequado para determinadas tarefas. Se você deseja que uma mensagem seja persuasiva, por exemplo, tente promover a facilidade cognitiva.


Uma maneira de fazer isso é nos expormos a informações repetitivas. Se as informações nos forem repetidas ou tornadas mais memoráveis, elas se tornam mais persuasivas. Isso ocorre porque nossas mentes evoluíram para reagir positivamente quando são repetidamente expostas às mesmas mensagens claras. Quando vemos algo familiar, entramos em um estado de facilidade cognitiva.


A tensão cognitiva, por outro lado, nos ajuda a ter sucesso em coisas como problemas estatísticos.


Podemos entrar nesse estado nos expondo a informações que nos são apresentadas de forma confusa, por exemplo, através de um tipo de letra difícil de ler. Nossas mentes ficam alertas e aumentam seus níveis de energia na tentativa de compreender o problema, e, portanto, temos menos probabilidade de desistir facilmente.


Ideia chave 8

Aproveitando as chances: a forma como as probabilidades nos são apresentadas afeta nossa avaliação do risco.


A forma como avaliamos ideias e abordamos problemas é fortemente determinada pela forma como eles nos são expressos. Pequenas mudanças nos detalhes ou foco de uma afirmação ou pergunta podem alterar drasticamente a forma como a abordamos.


Um ótimo exemplo disso pode ser encontrado na forma como avaliamos o risco.


Você pode pensar que, uma vez que possamos determinar a probabilidade de um risco ocorrer, todos o abordarão da mesma maneira. No entanto, isso não é o caso. Mesmo para probabilidades cuidadosamente calculadas, apenas mudar a forma como o número é expresso pode mudar nossa abordagem.


Outra maneira pela qual nossa atenção é desviada do que é estatisticamente relevante é chamada de negligência do denominador. Isso ocorre quando ignoramos estatísticas simples em favor de imagens mentais vívidas que influenciam nossas decisões.


Ideia chave 9

Não somos robôs: por que não tomamos decisões baseadas puramente em pensamento racional.


Durante muito tempo, um poderoso e influente grupo de economistas sugeriu que tomamos decisões com base puramente em argumentos racionais. Eles argumentaram que todos fazemos escolhas de acordo com a teoria da utilidade, que afirma que, quando os indivíduos tomam decisões, eles olham apenas para os fatos racionais e escolhem a opção com o melhor resultado geral para eles, ou seja, a maior utilidade.


Parece óbvio, certo?


O grupo mais influente de economistas nessa área se concentrou na Escola de Economia de Chicago e em seu estudioso mais famoso, Milton Friedman. Usando a teoria da utilidade, a Escola de Chicago argumentou que os indivíduos no mercado são tomadores de decisão ultra-racionais, a quem o economista Richard Thaler e o advogado Cass Sunstein mais tarde chamaram de Econs. Como Econs, cada indivíduo age da mesma maneira, valorizando bens e serviços com base em suas necessidades racionais. Além disso, os Econs também valorizam sua riqueza de forma racional, considerando apenas quanto utilidade ela fornece a eles.


Agora imagine duas pessoas, João e Jenny, que têm fortunas de US$5 milhões cada. De acordo com a teoria da utilidade, eles têm a mesma riqueza, o que significa que ambos deveriam estar igualmente felizes com suas finanças.


Mas e se complicarmos um pouco as coisas? Digamos que suas fortunas de US$5 milhões são o resultado final de um dia no cassino, e os dois tiveram pontos de partida muito diferentes: João entrou com apenas US$1 milhão e quintuplicou seu dinheiro, enquanto Jenny entrou com US$9 milhões que diminuíram para US$5 milhões. Você ainda acha que João e Jenny estão igualmente felizes com seus US$5 milhões?


Provavelmente não. Claramente, há algo mais na forma como valorizamos as coisas do que pura utilidade.


Ideia chave 10

Intuição: por que, em vez de tomar decisões baseadas apenas em considerações racionais, muitas vezes somos influenciados por fatores emocionais.


A teoria prospectiva de Kahneman desafia a teoria da utilidade ao mostrar que, ao fazer escolhas, nem sempre agimos de maneira mais racional.


Imagine esses dois cenários, por exemplo: no primeiro cenário, você recebe $1.000 e deve escolher entre receber uma quantia definitiva de $500 ou arriscar uma chance de 50% de ganhar mais $1.000. No segundo cenário, você recebe $2.000 e deve escolher entre uma perda certa de $500 ou arriscar uma chance de 50% de perder $1.000.


Se tomássemos decisões puramente racionais, faríamos a mesma escolha em ambos os casos. Mas esse não é o caso. No primeiro caso, a maioria das pessoas escolhe a opção certa, enquanto no segundo caso, a maioria das pessoas arrisca.


A teoria prospectiva ajuda a explicar por que isso acontece. Ela destaca pelo menos duas razões pelas quais nem sempre agimos de forma racional. Ambas envolvem nossa aversão à perda - o fato de temermos as perdas mais do que valorizamos os ganhos.


A primeira razão é que valorizamos as coisas com base em pontos de referência. Começar com $1.000 ou $2.000 nos dois cenários altera nossa disposição para arriscar, porque o ponto de partida afeta como valorizamos nossa posição. O ponto de referência no primeiro cenário é $1.000 e $2.000 no segundo, o que significa que terminar com $1.500 parece uma vitória no primeiro, mas uma perda desagradável no segundo. Mesmo que nosso raciocínio aqui seja claramente irracional, entendemos o valor tanto pelo nosso ponto de partida quanto pelo valor objetivo real no momento.


A segunda razão é que somos influenciados pelo princípio da sensibilidade decrescente: o valor que percebemos pode ser diferente de seu valor real. Por exemplo, ir de $1.000 para $900 não é tão ruim quanto ir de $200 para $100, apesar do valor monetário de ambas as perdas ser igual. Da mesma forma, em nosso exemplo, o valor percebido perdido ao ir de $1.500 para $1.000 é maior do que ao ir de $2.000 para $1.500.


Ideia chave 11

Imagens falsas: por que a mente cria imagens completas para explicar o mundo, mas elas levam a excesso de confiança e erros.


Para entender situações, nossas mentes naturalmente usam a coerência cognitiva; construímos imagens mentais completas para explicar ideias e conceitos.


Quando tomamos decisões, nos referimos a essas imagens e construímos nossas suposições e conclusões com base nelas. Por exemplo, se queremos saber que roupas vestir no verão, baseamos nossas decisões em nossa imagem do clima dessa estação.


O problema é que depositamos muita confiança nessas imagens. Mesmo quando estatísticas e dados disponíveis discordam de nossas imagens mentais, ainda deixamos que elas nos guiem. No verão, o meteorologista pode prever um clima relativamente fresco, mas você ainda pode sair de shorts e camiseta, pois é isso que sua imagem mental do verão diz para vestir. Você pode acabar tremendo do lado de fora!


Em resumo, somos excessivamente confiantes em nossas imagens mentais frequentemente defeituosas. Mas existem maneiras de superar essa excesso de confiança e começar a fazer previsões melhores.


Uma maneira de evitar erros é utilizar a previsão de classe de referência. Em vez de fazer julgamentos com base em suas imagens mentais bastante gerais, use exemplos históricos específicos para fazer uma previsão mais precisa. Por exemplo, pense na ocasião anterior em que você saiu em um dia frio de verão. O que você vestiu naquela ocasião?


Além disso, você pode elaborar uma política de risco de longo prazo que planeja medidas específicas no caso de sucesso e fracasso na previsão. Por meio de preparação e proteção, você pode confiar em evidências em vez de imagens mentais gerais e fazer previsões mais precisas. No caso do exemplo do clima, isso poderia significar levar um suéter apenas para garantir.


Resumo final


A mensagem-chave deste livro é:


Rápido e Devagar nos mostra que nossas mentes contêm dois sistemas. O primeiro age instintivamente e requer pouco esforço; o segundo é mais deliberado e requer muito mais de nossa atenção. Nossos pensamentos e ações variam dependendo de qual dos dois sistemas está controlando nosso cérebro no momento.


Conselhos práticos


Repita a mensagem!


As mensagens são mais persuasivas quando somos expostos a elas repetidamente. Isso provavelmente ocorre porque evoluímos de uma maneira que tornava a exposição repetida a coisas que não tinham consequências ruins inerentemente boas.


Não seja influenciado por eventos estatísticos raros que são exagerados por notícias e mídias sociais.


Desastres e outros eventos são uma parte importante de nossa história, mas muitas vezes superestimamos sua probabilidade estatística por causa das imagens vívidas que associamos a eles pela mídia.


Você é mais criativo e intuitivo quando está de bom humor.


Quando você está de bom humor, a parte da mente que está alerta e analítica tende a relaxar. Isso cede o controle de sua mente ao sistema de pensamento mais intuitivo e rápido, o que também o torna mais criativo. ___________________


Acompanhe mais conteúdos como este no LinkedIn. Acesse: https://www.linkedin.com/in/marceloassumpcaofgv/





5 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page