top of page

Sumário Executivo - Curious



Ideias Chaves desse livro

  1. Existem dois tipos de curiosidade: diversiva e epistêmica.

  2. Todos nascemos com o desejo de saber, mas esse desejo desaparece com a idade, se não o cultivarmos.

  3. Faça um esforço para adquirir conhecimento - isso o tornará mais criativo e curioso.

  4. Nunca pare de fazer perguntas.

  5. O mundo moderno exige que você seja tanto um especialista quanto um generalista.

  6. Qualquer coisa pode ser interessante com a perspectiva certa.


Introdução

Descubra por que você simplesmente não consegue largar o seu livro favorito.


Embora haja muitas coisas que separam os seres humanos dos animais, uma das mais notáveis é que somos as únicas criaturas na terra capazes de perguntar por quê? Cada ser humano nasce com um forte desejo de conhecer o mundo ao seu redor, tanto por necessidade quanto por curiosidade.


Portanto, não deve ser surpresa que crianças entre três e cinco anos façam cerca de 300 perguntas por dia! No entanto, à medida que envelhecemos, chegamos a um ponto em que não estamos mais interessados em descobrir coisas novas. Vivemos no piloto automático, confiamos em nossos velhos pressupostos e paramos de fazer perguntas. E embora isso possa ser natural, certamente não é desejável.


Se você deseja ter sucesso em sua vida profissional e pessoal, precisa ser curioso. A curiosidade é absolutamente necessária em seus estudos, carreira e vida pessoal se você quiser ter sucesso em qualquer área.


Ideia chave 1

A curiosidade é causada por lacunas de informação que queremos preencher.


De acordo com o psicólogo George Loewenstein, a curiosidade é resultado de lacunas de informação. Em termos simples, lacunas de informação são peças ausentes de um quebra-cabeça. Quando percebemos que há algo que não sabemos, então de repente queremos muito descobrir o que é.


Por exemplo, se você está assistindo a um Trailer, pode haver um assassinato, ou seja, uma peça de informação. No entanto, você está perdendo algumas informações cruciais para completar o quadro: quem cometeu o assassinato? Esta é a lacuna de informação, e continuamos assistindo com a esperança de que essa lacuna seja fechada em breve.


Mas não é a mera ausência de informação que desperta a curiosidade. A curiosidade não pode existir no vácuo; primeiro precisamos ter algum conhecimento sobre o assunto. A lacuna existe apenas entre algo que já sabemos e algo que ainda não sabemos, mas gostaríamos de descobrir.


Ideia chave 2

Existem dois tipos de curiosidade: diversiva e epistêmica.


A curiosidade é o que levou a humanidade à lua. No entanto, também é a força que nos faz desperdiçar metade de nossas vidas rolando nossos feeds de notícias nas redes sociais. Isso ocorre porque nem todas as curiosidades são iguais.


A curiosidade é dividida em dois tipos. O primeiro, curiosidade diversiva, é pouco mais do que um desejo por novas informações, ou seja, o desejo por mais novidade e empolgação. Por um lado, é o que nos motiva a nos envolvermos em um tópico em primeiro lugar. Por outro lado, pode ser impulsivo, superficial e difícil de resistir.


Isso contrasta com a curiosidade epistêmica, que se trata do desejo de saber algo novo. Esse tipo de curiosidade vai muito mais fundo e exige mais trabalho para ser sustentado. É uma escolha consciente, que requer autodisciplina, esforço e foco.


Isso não quer dizer que você precise escolher um tipo de curiosidade em detrimento do outro. Na verdade, para alcançar uma aprendizagem sustentável, você precisa combinar ambos os tipos: a curiosidade diversiva é uma boa maneira de se familiarizar com informações básicas sobre um tópico. Mas você precisará complementá-la com curiosidade epistêmica para ajudá-lo a aprofundar, reunir conhecimento especializado e evitar a tentação da distração.


Ideia-chave 3

Todos nascemos com o desejo de saber, mas esse desejo desaparece com a idade se não o cultivarmos.


De fato, todos nascemos com um desejo inato de saber. O conhecimento instintivo de que há coisas que não sabemos, mas que outras pessoas sabem, é incrivelmente poderoso. Essa é a força que torna as mentes inquisitivas das crianças pequenas incansáveis: crianças entre três e cinco anos fazem cerca de 300 perguntas por dia!


Infelizmente, quanto mais envelhecemos, mais nossa curiosidade diminui até chegarmos a um ponto em que não sentimos mais a necessidade de aprender nada: um ponto de saturação.


Como adultos, temos uma quantidade considerável de conhecimento que simplesmente não questionamos, mas que ainda influencia muito nossas ações.

Esse conhecimento acumulado é útil em situações como dirigir, onde não queremos gastar energia interpretando os estímulos na estrada, como placas de trânsito e sinais luminosos, e onde é simplesmente mais fácil agir automaticamente.


No entanto, nossa confiança em nosso conhecimento acumulado nos torna intelectualmente preguiçosos, fazendo com que soframos do efeito de superconfiança: a maioria de nós pensa que já sabe tudo.


Ideia chave 4

A internet tem criado uma divisão entre os curiosos e os desinteressados.


No que diz respeito à aprendizagem, a internet tem provado ser tanto uma bênção quanto uma maldição. Dependendo de como você a aborda, a internet permite que você aprenda facilmente sobre assuntos complexos, como a teoria da relatividade, a tectônica de placas ou a história francesa, ou você pode passar o dia inteiro assistindo vídeos de gatos e discutindo inutilmente com estranhos sobre eles.


Além disso, o uso da internet na verdade amplia o fosso entre aqueles que querem aprender e aqueles que não querem. Há uma crescente polarização cognitiva, uma divisão em nossa sociedade entre os curiosos e os desinteressados. A internet torna mentes curiosas ainda mais curiosas, enquanto os desinteressados passam seu tempo na internet com entretenimento, diminuindo ainda mais seu interesse em aprender.


Existem dois círculos: um vicioso e um virtuoso. Aqueles que já têm sede de conhecimento percebem que há tanto que ainda não sabem, o que os torna ainda mais curiosos e ansiosos por saber mais. O oposto se aplica aos desinteressados.


É fácil culpar a internet por como ela encoraja ou dificulta o desenvolvimento de nossa curiosidade epistêmica. No entanto, a única pessoa que pode te tornar ignorante é você mesmo: a curiosidade epistêmica é uma decisão consciente, e assim também é a ignorância.


Ideia chave 5

A internet sufoca nossa curiosidade e criatividade ao tornar muito fácil o acesso à informação.


É um fato inegável que a internet revolucionou nosso acesso à informação. Mas também vale a pena questionar como isso afeta nosso aprendizado, curiosidade e criatividade.


Em relação ao aprendizado, o simples fato de que a informação está acessível não significa que sejamos melhores em acumular conhecimento. Isso ocorre porque, sabendo que o conhecimento está sempre a apenas um clique de distância, tendemos a não fazer o esforço de memorizá-lo.


Além disso, o Google responde às nossas perguntas com tanta precisão que fecha todas as lacunas de informação. Como você já aprendeu, a curiosidade resulta de lacunas de informação e perguntas não respondidas. Mas a internet tem todas as respostas!

Portanto, não há lugar para a curiosidade se desenvolver.


A precisão do Google também torna menos provável que o usuário se depare com campos de conhecimento desconhecidos e, assim, descubra novos interesses. Isso tem efeitos consideráveis em nossa criatividade, que depende da colisão aleatória e inesperada do conhecimento para estabelecer novas conexões entre diferentes áreas de conhecimento.


Pessoas criativas e inovadoras sempre têm uma ampla base de conhecimento. Tome Steve Jobs, por exemplo, cujo interesse em muitas áreas diversas, como filosofia oriental, escola de arte Bauhaus, negócios e poesia, culminou nos projetos inovadores e no sucesso da Apple.


Ideia chave 6

Nunca pare de fazer perguntas.


Fazer perguntas é essencial para descobrir as informações que você precisa. Infelizmente, não é o tipo de habilidade que pode ser facilmente transmitida: você precisa experimentar o poder das boas perguntas em primeira mão para melhorar.


No entanto, podemos ajudar as pessoas a fazerem mais perguntas aproveitando o fato de que fazer perguntas parece ser contagioso: vários estudos mostraram que crianças que foram questionadas por seus pais fizeram mais perguntas em retorno.


Como adultos, no entanto, o hábito de fazer perguntas pode ser deixado de lado. Às vezes, tememos que fazer perguntas nos faça parecer estúpidos, pois fazer perguntas é uma admissão de ignorância. Outras vezes, estamos ocupados demais para sermos curiosos ou simplesmente nunca desenvolvemos as habilidades para fazer perguntas relevantes.


Portanto, pense em fazer perguntas como uma habilidade valiosa que pode ser aprimorada com a prática e tente não deixá-la se tornar enfadonha.


Ideia chave 7

Faça um esforço para adquirir conhecimento - isso o tornará mais criativo e curioso.


Como você já aprendeu, a criatividade é o produto de conexões novas entre pensamentos e ideias aparentemente não relacionados. Consequentemente, quanto mais você sabe, mais conexões pode fazer.


Tome William Shakespeare como exemplo. Historiadores sabem que ele frequentou uma escola clássica, onde aprendeu tudo sobre grego e latim, bem como sobre os escritores e pensadores dessas culturas clássicas, como Sêneca e Cícero.


Ele usou esse conhecimento amplo e profundo para criar peças com uma grande variedade de temas, ambientadas em diferentes locais e em diferentes momentos da história. Romeu e Julieta, por exemplo, aconteceu em Verona, Itália, longe da casa de Shakespeare em Londres.


A curiosidade, assim como a criatividade, é alimentada pelo conhecimento e fatos: quanto mais você sabe sobre um assunto, mais descobre o quanto ainda há para descobrir, o que por sua vez aumenta ainda mais sua curiosidade.


É por isso que ir para a escola é frequentemente tão difícil e frustrante para as crianças quando são jovens. Muitas áreas, como história, exigem contexto e conhecimento básico para serem compreendidas. Mas as crianças não têm nem o contexto nem o conhecimento, então é difícil para elas sustentarem sua curiosidade.


No entanto, não é suficiente aprender de forma aleatória sobre tudo que você encontra. As maneiras pelas quais você adquire e armazena seu conhecimento também são importantes.


Ideia chave 8

O mundo moderno exige que você seja tanto um especialista quanto um generalista.


Existem duas maneiras diferentes de acumular conhecimento: você pode aprender muito sobre algumas áreas, tornando-se assim um especialista, ou pode aprender algumas coisas em várias áreas, o que o torna um generalista.


Essa distinção remonta à antiga história grega do ouriço e a raposa. A raposa tem várias estratégias inteligentes para escapar de seus predadores, enquanto o ouriço tem apenas um truque infalível - ele se encolhe e usa seus espinhos para se proteger. Como diz o poeta grego Arquíloco: "A raposa sabe muitas coisas, mas o ouriço sabe uma coisa grande".


Essa distinção é especialmente relevante para carreiras baseadas em conhecimento, como engenharia de software ou ciência de pesquisa. Para ter sucesso nessas áreas, em que a linha entre diferentes áreas de conhecimento se torna turva, você precisa ser tanto um ouriço quanto uma raposa.


Por um lado, você precisa aprender uma quantidade enorme sobre uma ou duas coisas importantes para se dar uma vantagem baseada em conhecimento em relação aos seus concorrentes. Por outro lado, à medida que seu trabalho se torna mais complexo, é provável que ele se estenda para outras disciplinas.


Ideia chave 9

Qualquer coisa pode ser interessante com a perspectiva certa.


Desde 2010, algo estranho acontece em Londres todos os anos: jovens se reúnem e ouvem apresentações sobre temas geralmente considerados extremamente desinteressantes, como rotas de ônibus, secadores de mãos elétricos e a história das máquinas de autoatendimento de supermercado. É chamado de Conferência Entediante.


Essa Conferência trata de fenômenos mundanos e negligenciados da vida cotidiana e nos mostra que nosso interesse por um assunto tem tudo a ver com como o abordamos.


Andy Warhol certamente inspirou os fundadores da Conferência Entediante. Ele transformou uma das coisas mais comuns e sem destaque da vida cotidiana, uma lata de sopa Campbell, em uma obra de arte mundialmente conhecida.


Se você prestar atenção suficiente, qualquer coisa pode se revelar incrivelmente interessante.


Quando nos entediamos com algo, tendemos a culpar a coisa que nos entedia. No entanto, a coisa não é o problema. Nós somos o problema. Simplesmente precisamos encontrar a perspectiva certa.


Em essência, a curiosidade é uma escolha. Você escolhe sua perspectiva e, assim, pode escolher nunca mais ficar entediado.


Resumo final


A curiosidade pode ser considerada como um músculo cognitivo que precisa ser constantemente nutrido e alimentado com novos conhecimentos para que possa crescer e florescer. Se você conseguir dominar essa arte, terá uma maior chance de se sentir mais realizado em seu trabalho e também em sua vida pessoal.



Acompanhe mais conteúdos como este no LinkedIn. Acesse: https://www.linkedin.com/in/marceloassumpcaofgv/


7 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page